12 setembro, 2010

O cio II - Um se que apareceu do nada


E agora as palavras surgem aos borbotões. Elas me cobram asas que as façam alçar voos agudos e fragorosos, além de incitar sons de ilécebras. Estou disposta a destroçar o fígado com o fura-gelo para ter a estúpida crônica até às três da madrugada, que é quando enfio pela goela, manchada de desespero, a escrota da droga que me garante o sono. Passando da hora, sou uma mulher esfolada, escangalhada, esquartejada e estuprada. A dependência é abominável, mas meu organismo já se deixa dominar sem receio. Em suma, sou invencível na cama, subordinada na vida e rastaquouère na escrita, admito.

O relógio diz que ainda tenho muito tempo: apenas abre o anoitecer. O do macacão não mais me interessa. Sou orgulhosa, é bem verdade. Não era um táxi – somente uma mulher piegas e sedenta era capaz de pensar assim – mas um encontro, um rendez-vous, c'était un rendez-vous! Acabou todo o meu tesão pelo filho-da-puta. “Não serei mais sua cadela, otário!” – gritei descontrolada do alto, como raras vadias fariam, o que assustou a todos que se encontravam nas proximidades da minha loucura. “Não ficaria de quatro para cem como você, porra! Nem para mil!”, completei.

Sim, ideias me chegam, afinal, estava em plena performance dos desejos sexuais, acessível à literatura, portanto, mas, ao mesmo tempo, uma agitação longíqua do natural me impedia de concatenar frases e criar personagens, senão a partir de fatos que me atormentavam a cabeça, e isto não interessava. Posso parecer contraditória naquilo que digo e tento escrever, mas canto os versos do poeta Augusto dos Anjos para confortar o despojo da alma: “Nessa hora de monólogos sublimes, / A companhia dos ladrões da noite, / Buscando uma taverna que os açoite, / Vai pela escuridão pensando crimes”. E observo, como atenta espectadora, que toda minha história se baseia na fuga da verdadeira vida ao lado de animais. Alguém falou que a pior e mais desgastante de todas as conversas é justamente a que temos conosco. Olhar-se no espelho é uma atitude corajosa para que poucos se habilitam. Não me junto aos poucos, ou me junto aos poucos – uma frase ambígua, por certo, que anoto na palma para usar em algum texto.

Diante da minha pequena batalha de escrever, constato ainda que não é uma ilação com sotaque de puta. Faço contas e me surpreendo com meu trigésimo dia sem transa, a bem da verdade, sem o Romildo. Quase uma virgem. Tiro o roupão e me estiro no sofá de couro pintado, de frente para varanda. Quero o vento, a liberdade. O silêncio combina em perfeição com o vinho que agora banha minha quentura, porém não o suficiente para miná-la, ao contrário, o álcool instiga meu apetite. Desisto de escrever. Olho o vazio por entre o cortinado lépido de cor laranja, e mais uma vez lembro do vergalhão do Romildo – um bendito! Assola-me a vontade de pegar o telefone e ligar para o covarde, mas o que diria? Que melhorei a receita da pessegada? Nada! Minha única intenção era acabar de vez com a brama, e isto poderia ser feito com um ou uma qualquer, com a Márcia Fofollete (amiga de quando trabalhávamos no restaurante de quinta categoria, meio cabaret), ou até comigo. Pensando assim, não hesito em “prosseguir a marcha”, pois dedos melhores do que os meus ainda estou por conferir.

Mulheres, à luta! Sozinhas e independentes, mãos à obra! Qual mulher não se masturba? Será que Simone de Beauvoir se masturbava? Opino que apenas quem não se conhece por completo, por dentro, aquela que não se ama, alcança o pecado. É o que digo! Escancaro que foi uma criança, de cachos doirados e resplandecentes, com olhinhos arregalados, assustada, que me advertiu ser uma coisa feia. Uma transgressão religiosa que me fecharia as portas dos céus, embora lá já estivesse? Duvidei. Ei-la estática, uma bola de futebol entre o braço direito, com boca de canhão no rosto e um pintinho ansiando romper a gaiola. Juro que também fiquei desconcertada. Permanecemos. Eu, em pelos, retirando lentamente a mão de dentro das pernas, enxugando-a nas carnes da coxa, e ele parado sem saber se me fitava, se se atinha ao meu sexo ou se corria.

* Escrito em setembro de 2010;
** Red Continuum OF-A143, by Oleg Frolov.

Nenhum comentário: