27 abril, 2007

Noite inesquecível


Artigo, 27/04/2007

O que dizer de um show que começou pontualmente no horário marcado na entrada? O que dizer de um show com trinta e três músicas? O que dizer de um show com duas horas de duração, sem nada de intervalo? O que dizer de um show com dois bis? O que dizer de um show esperado por quase nove anos? E quando o show é de um senhor, chamado Francisco Buarque de Hollanda, mais conhecido por Chico Buarque? Pois bem, isto aconteceu no Siará Hall, em Fortaleza, durante os dias 24 e 25 de abril. E foi maravilhoso, quiçá inesquecível.
Chico Buarque desembarcou em Fortaleza para lançar seu novo álbum “Carioca”, mas, além das doze canções deste disco, ele ainda nos brindou com “Morena de Angola”, inovando com o dedilhado num instrumento de percussão, chamado kalimba, a lindíssima “Mil perdões”, “Eu te amo”, a inesquecível “Bye bye Brasil”, “Morro Dois Irmãos”, “Sem compromisso”, “Quem te viu, quem te vê”, “João e Maria”, entre outras, outras e outras. É claro que para quem gosta do Chico foi um prato cheio.
Quanto ao show em si, o que se pôde ver no palco foi um já sabido Chico tímido, de pouca conversa. Deu um boa noite a Fortaleza, agradeceu pelo carinho, fez uma brincadeira por causa de sua voz que estava (imperceptivelmente) falhando, chamou o contrabaixista Jorge Helder de irmão cearense, no embalo da canção “Bolero Blues”, de parceria dos dois, e ensaiou sambar quando o baterista Wilson das Neves assumiu o microfone para cantar “Grande Hotel”. Pronto. Foi isto. Porém – não se pode esquecer – foram muitos sorrisos contidos, de canto de boca, e olhares de satisfação para o público que lotou a casa de espetáculo. Esta foi a forma com que Chico se comunicou – é o seu jeito. O resto a música se encarregou de fazer, e o fez muito bem, como no momento em que foi entoada com “Imagina”, ao compasso de um dueto com a tecladista Bia Paes Lemes, ou quando foi resgatada lá do álbum Almanaque, de 1981, com “As vitrines”: “(...) Passas em exposição / Passas sem ver teu vigia / Catando a poesia / Que entornas no chão”.
Nós que estávamos do outro lado, especificamente na platéia, agradecemos por cada segundo na companhia de Chico Buarque. Sem contar que nos enturmamos fácil...
Mendes Júnior.

Vídeo da música João e Maria, gravado ao vivo, em Fortaleza: http://www.youtube.com/watch?v=UOJhPVITz8o

SET LIST DO SHOW:
1- Voltei a cantar (de Lamartine Babo)
2- Mambembe (do disco "Quando o Carnaval Chegar", de 1972)
3- Dura na Queda ("Carioca", 2006)
4- O Futebol ("Chico Buarque", 1989)
5- Morena de Angola ("Vida", 1980)
6- Renata Maria ("Carioca", 2006)
7- Outros sonhos ("Carioca", 2006)
8- Imagina (Trilha do filme "Para viver um grande amor", 1983, regravada no "Carioca", 2006)
9- Porque era ela, porque era eu ("Carioca", 2006)
10- Sempre ("Carioca", 2006)
11- Mil perdões ("Chico Buarque", 1984)
12- A história de Lily Braun ("O grande circo místico", 1983)
13- A Bela e a Fera ("O grande circo místico", 1983)
14- Ela é dançarina ("Almanaque", 1981)
15- As atrizes ("Carioca", 2006)
16- Ela faz cinema ("Carioca", 2006)
17- Eu te amo ("Vida", 1980)
18- Palavra de mulher (Trilha do filme "Ópera do Malandro", 1985)
19- Leve ("Carioca", 2006)
20- Bolero Blues ("Carioca", 2006)
21- As vitrines ("Almanaque", 1981)
22- Subúrbio ("Carioca", 2006)
23- Morro Dois Irmãos ("Chico Buarque", 1989)
24- Futuros Amantes ("Paratodos", 1993)
25- Bye bye Brasil ("Vida", 1980)
26- Cantando no toró ("Francisco", 1987)
27- Grande Hotel (Gravada no disco "O som sagrado", de Wilson das Neves, em 1997)
28- Ode aos ratos ("Carioca", 2006)
29- Na carreira ("O grande circo místico", 1983)
PRIMEIRO BIS:
30- Sem compromisso ("Sinal Fechado", 1974)
31- Deixe a menina ("Vida", 1980)
SEGUNDO BIS:
32- Quem te viu, quem te vê ("Chico Buarque de Hollanda Vol. 2", 1967)
33- João e Maria (de 1977, registrada no CD Bônus da caixa "Construção", de 2002)

2 comentários:

Anônimo disse...

Oi,
Nossa... Você detalhou com perfeição esse show inesquecível. Revivi tudo de novo mas com um grande detalhe " sem a presença ilustre do Chico Buarque" concordo com cada palavra escrita nesse texto, ficou marcado na lembrança de uma linda memória de todos que ali estavam presentes. Foi perfeito, só deixou com gosto de bis,bis,bis...bis.

Um abraço e sucesso sempre:)

Andréa disse...

Ainda não posso acreditar que perdi este show...
snif, snif...