25 setembro, 2007

Ontem e Hoje






Poesia, sem data.








Num tempo, em algum lugar,
quando as rosáceas não exalavam amor
e a brisa não tinha frescor,
vi o enlace dos teus olhos
em minha negra — triste — face
e sorri... chorei... fui além.
Vejo, nesta hora, a minha amada,
em tipo meu lépido,
que não isenta nunca de brandura.
Assim, sempre...

Mendes Júnior
*Photo by Paula Bonneaud, "Écorce 2".

Um comentário:

LUCIANO DE SOUSA PONTES disse...

EU GOSTEI DESSA POESIA.UM ABRAÇO.DO AMIGO LUCIANO PONTES.